segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Relatos da Periferia


Relatos da Periferia


Salve geral!


É com imensa satisfação que posto hoje sobre um dos meus grupos preferidos aqui no estado,não só pela história de superação do grupo,história que conheço muito de perto,porque sei o que é enterrar um irmão,mas tentar manter viva as suas idéias;além disso tem o talento impar dos meninos,que apesar de serem jovens ainda tem a sagacidade de quem já está a anos na batalha...
Falei com o Rocka(que é na minha humilde opinião o melhor letrista da atualidade) e o Grafitti(com seu timbre de voz inconfundível) sobre a origem,a superação e o que esperam pro futuro desse surpreendente grupo que é o Relatos da Periferia...

Qual a formação atual do grupo?


Grafitti



Grafitti : Grafitti , Rocka, Negão Valdir e Danilo(DJ).
Grafitti , vc ta no grupo desde o começo, as coisas melhoraram do início pra cá falando de reconhecimento, maior facilidade de fazer o trabalho ?

Grafitti: Melhorou no aspecto de gravar e divulgar o som.

Rocka,vc tem varias participações em musicas de outros mc's. Como se deu sua entrada no Relatos?


Rocka



Rocka: Entrei no Relatos a convite do finado Gordinho, depois que apresentei uma letra antiga que tinha numa conversa de buteco. De primeira não fechei pois estava bem mais envolvido na cena do breaking e não teria tempo pra ensaiar com o grupo. Conforme os dias passaram comecei a escrever mais e então o Gordinho enquadrou de novo, e dessa vez fechamos de acordo!


Eliton Gordin 157



Ha pouco mais de um ano,infelizmente o Relatos perdeu o idealizador do grupo. Quem era Eliton Gordinho?


Grafitti: Em poucas palavras ZICA. Não como esses modinhas de hoje dizem q são, ele sim era zica memo.


Rocka: Embaçado falar desse mano.. O ideal seria uma entrevista inteira só pra falar dele, ha. Enfim, Eliton 'Gordinho 157' Rodrigues não só idealizou e fez frente no Relatos, mas é também o motivo pelo qual continuamos correndo e nos aprimorando. Esse mano vivia e, em suas próprias palavras, morreria pelo Rap. Conviver com ele me lembrava muito os tempos das antigas (quando eu ainda era criança) e a rapaziada curtia Rap nacional o dia todo, só andava 'nos pano' e fazia um corre pela sua comunidade. Gordinho era um dos poucos e cada vez mais raros remanescentes da era de ouro do Rap.



Vcs fizeram uma musica e um vídeo lindos em homenagem a ele. Depois da tragedia que foi a perda dele,vcs pensaram em se separar,desistir do Rap?


Grafitti: Jamais! Ele não ia querer que isso acontecesse.


Rocka:. Nem por um instante. Posso dizer com certeza que desistir nunca foi uma opção. Claro que o baque foi o mais violento possível, mas o primeiro pensamento foi "Nossa responsa é manter vivo o legado do nosso irmão", no caso, o Relatos da Periferia. O RdP não parou nem por um segundo, apenas entramos em uma outra etapa. Prova disso é a homenagem 'Faz Frio Em Dourados', composta dias depois da tragédia.


Como todos os mc's,vcs tem uma vida paralela ao Rap. E difícil conciliar o Rap com trampo, família?

Grafitti : -Sim. Demais, se pra quem não tem família pra cuidar já é difícil, imagina pra nos q temos!


Rocka: Pra mim é muito relativo. Falando de uma perspectiva mais ampla, não vejo problemas (problemas de verdade!) para conciliar as coisas pois tanto o Rap quanto o trampo contribuem para um fim comum, e minha família e os que importam pra mim tem essa consciência.



Qual a maior dificuldade que vcs enfrentam no dia a dia em relação ao Rap?

Grafitti : Conciliar Rap, família e as correrias

Rocka: Creio que não há dificuldades em relação ao Rap. Por outro lado, enquanto rapper, minha maior dificuldade ou desafio é transmitir uma mensagem de maneira profunda e precisa. Escrever groselha é muito fácil, não é difícil rimar. A questão é o quão impactante vai ser na vida dos seus ouvintes.

Tenho perguntado a todos e gostaria de saber de vcs,o que o Hip-Hop do estado precisa pra crescer cada vez mais?

Grafitti: ---------

Rocka: Sinceramente não sei. São tantas coisas envolvendo tanta gente diferente.. Não vivemos em uma espécie de 'Ilha do Hip Hop' e como você mencionou, todos temos um compromisso paralelo. Consequentemente, eu considero impossível estabelecer um padrão e ser conclusivo quanto a essa pergunta. Minha sincera opinião hoje é ser o mais real que conseguir e os verdadeiros se achegaram naturalmente. Qualidade supera quantidade!


Vcs já tem músicas bem conhecidas pelo publico. Sai uma demo pra nós?

Grafitti: Aguardem heheh!




Rocka:
O finado Gordinho costumava dizer que a única coisa que ele queria fazer antes de morrer era lançar um Cd do Relatos. Não tenho previsão mas que vai sair, vai.. Pelo Gordão!
Posso te adiantar que o Relatos deixará sua marca na mixtape Ddos City Thugs, que reunirá vários Mc's locais.


Eu, particularmente,admiro o corre de vcs,gosto muito dos seus sons;quero desejar cada vez mais sucesso pro Relatos,agradeço o tempo que dedicaram p responder minhas perguntas,e deixo aqui um espaço em aberto p vcs mandarem sua ideia,se quiserem acrescentar alguma coisa...


Relatos da Periferia



Grafitti: Um salve aos verdadeiros que não se deixam levar por modinha; Relatos na porra do bagulho!!!
Rocka:  Relatos da Periferia está na cena pra ficar, sem média e sem massagem. Nosso som não é pra agradar ninguém, pelo contrário, é pra incomodar geral! Os que trincam conosco é porque estão no mesmo corre, à esses eu agradeço de só peço lealdade!
Relatos é Graffiti, Mc Negão, Rocka, Senkapuz e DJ DanLitros. Salve ao Fase Terminal, que fecha com a família Lcy Black tá em casa também. Ddos City Thugs



Segue 2 vídeos do Relatos da Periferia ,e, em breve links pra downloads dos sons deles; Hasta luego personas...



Nenhum comentário: